Cachorro abandonado tem dono?

Começar uma coisa é fácil. Seja um projeto, uma faxina, um negócio, uma faculdade, desmontar uma bicicleta, um curso de inglês, uma dieta. Difícil é acabar, terminar, deixar pronto, remontar, atingir o objetivo. De cada dez projetos nove são abandonados, esquecidos, desprezados. Governantes são especialistas em “esquecer” obras inacabadas de governos anteriores e inaugurarem novos e retumbantes projetos, que certamente também ficarão inacabados e largados pelo próximo eleito. Bolsonaro, como sempre, fez diferente: pegou o acordo Mercosul/União Européia que se arrastava há anos e assinou. Pegou a BR 163, que atola carros há décadas, e está terminando. Pegou privatizações encalacradas e rapidamente liquidou-as. Pegou a Reforma da Previdência, que já teve duzentos pais e vai aprová-la. E o que faz a oposição incompetente e de má-fé? Diz que é tudo projeto de governos anteriores. Não, meus amigos. Não é. Um projeto, quando é esquecido, desprezado pelo seu criador, é como um filho abandonado pelos pais: fica órfão. Se não de direito, de fato, que é o que importa. Que esses canalhas que afundaram e roubaram o Brasil por décadas não venham agora menosprezar os feitos do Capitão e reivindicar louros sobre “filhos” que não souberam tratar, que foram abandonados pelo caminho como cachorro sem dono e que, por isso, não mais lhes pertencem. O mérito por tudo de bom que está acontecendo e vai acontecer ao Brasil é todo de Bolsonaro e sua equipe. E nosso, que humildemente acreditamos nele e o elegemos para levar a cabo as mudanças que já começaram – e certamente vão terminar -, a faxina para erradicar a esquerda, sua corrupção, suas mentiras e sua incompetência. Os pobres pets, abandonados nas ruas da inépcia petista foram, enfim, resgatados e encontraram, finalmente, um amigo de verdade em que possam confiar.

Autor: Percy Castanho Jr.

Percy Castanho Jr. é advogado, analista, músico, compositor e escritor, não necessariamente nessa ordem...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *