Escolha a carapuça que melhor lhe sirva. Ou não!

Se você vive falando em desigualdade social, reclama do politicamente incorreto e do egoísmo das elites, mas mora na zona sul do Rio, nos jardins em São Paulo, no centro de Manhattan, nos condomínios luxuosos Brasil afora, passa férias em Paris ou Miami dependendo de sua cultura, não acha que está na hora de começar a dar o exemplo? Caso contrário, seu discurso não passa de hipocrisia rastaquera. Mesmo que você não se ache um socialista, você é! Aqui não falo de gente que conquistou seu patrimônio honestamente, seja rico, classe média ou remediado, mas que sabe que há injustiças no mundo e que o melhor remédio para amenizá-las é a meritocracia, é gerar riqueza para depois distribuí-la. Falo é de gente discursiva, ativistas de meia tigela, mimizentos inconformados, que vivem bem mas acham bonito ostentar um perfil de esquerda. Socialista/comunista não é apenas quem frequenta reuniões de partido, grita Lula Livre nas passeatas, adora o PSOL e o Jean Willys. Esses geralmente são ignorantes feitos de massa de manobra e levados pela lábia dos espertalhões que sobem aos palanques para oferecer o néctar dos deuses a preços módicos e em suaves prestações. Você é muito pior do que isso. Você é daqueles socialistas que nem se consideram como tal, mas mantém um falso discurso “progressista”, vive dizendo da boca pra fora que não se conforma com a pobreza no mundo, que a desigualdade social é fruto do egoísmo das elites, que a democracia deve vir acompanhada de liberdade total, que a imprensa anda sofrendo mordaça, que estão destruindo a cultura, inibindo nossas universidades, acabando com o meio ambiente e destruindo nossas florestas e que quem não pensa como você é fascista. Acorda, amigo! Onde você aprendeu isso? Nas universidades gratuitas que frequentou às nossas custas, doutrinado por pseudo professores pagos não para ensinar, mas para lavar sua mente? Sinto informá-lo que quem tem a “expertise”, o monopólio para atuar nesse lado obscuro da política, que adota o Código Penal como Código de Ética, é ninguém menos do que a esquerda, do que seus ídolos de pés de barro. Enquanto discursam contra o roubo, corrompem todos à sua volta. Enquanto arrotam sobre cultura, disseminam a ignorância. Enquanto acumulam riqueza, distribuem equanimemente a pobreza. Enquanto exaltam o bem estar social, corroem as famílias. Enquanto criticam a falta de segurança, incentivam a bandidagem. Esquerdistas são mágicos diversionistas, que iludem o povo com uma mão enquanto com a out6ra enfiam coelhos verdes e dourados nos bolsos e cuecas. Apropriaram-se de um discurso fácil, politicamente correto, que finge proteger pobres, acabar com a desigualdade, incentivar a cultura e fazer um estado robusto, o guarda-chuva que protegerá a todos das tempestades sociais. São inteligentes. Inteligentes e mentirosos, bem entendido. Pois, uma vez no Poder, tratarão de forrar seus bolsos e seus estômagos com tudo que a elite produzir de bom e de melhor, se lambuzarão com o melado sujo da riqueza e nadarão de braçada nos rios dos descaminhos, sempre à bordo da primeira classe. E o povo, coitado, a quem lhes será tirado o direito de aprender ou ao menos ver o que acontece, continuará com suas cantilenas regadas a guaraná e mortadela. É como se vivessem em comunidades anestesiadas ou dopadas de um Osho, um Jim Jones, um Colin Batley, só à espera de um comando para protagonizar uma tragédia. Mal sabem que a tragédia é a vida que levam… E a você, que mora nos melhores endereços mas não quer se desfazer dele em prol dos pobres a que tanto tem apreço, e que não tem a desculpa de ser ignorante, só restará a carapuça da alienação mental, acompanhada do adjetivo apropriado: hipócrita, burro ou ladrão. Escolha…

Autor: Percy Castanho Jr.

Percy Castanho Jr. é advogado, analista, músico, compositor e escritor, não necessariamente nessa ordem...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *